Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Cidade recupera escultura de Zulmiro de Carvalho
13-02-2019
"ASA" do escultor Zulmiro de Carvalho é a mais recente aquisição do Programa de Arte Pública, um museu a céu aberto espalhado pela cidade. A obra foi esta tarde (re) inaugurada por Rui Moreira com a presença do autor, no largo da Rua de São Francisco, à Ribeira.

"Muito pouco tempo após a sua colocação, a ASA foi retirada do espaço público, mutilada para lá de qualquer recuperação e sofreu o pior desaparecimento de todos: o do esquecimento. Felizmente e em tempo, uma conversa com o escultor Zulmiro de Carvalho, a quem desde já agradeço a disponibilidade, e com o Museu da Imprensa, permite a este Executivo repor a escultura no exato local de onde um anterior presidente da Câmara a tinha mandado retirar", explicou na sua intervenção o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira.

Com cerca de quatro metros de altura e encimada por uma grande aba (asa), esta peça vem integrar-se no Programa de Arte Pública que a Câmara do Porto lançou há precisamente quatro anos, em fevereiro de 2015, e que espalhou já pela cidade obras de Dalila Gonçalves, João Louro, Fernando Lanhas, Alberto Carneiro ou Julião Sarmento.

"Se nós estamos a encomendar outras [obras de arte] parecia mal que não recuperássemos aquelas que, de alguma maneira, tinham sido destruídas", sublinhou Rui Moreira aos jornalistas, lembrando também a recuperação feita com o painel de azulejos Fernando Lanhas.
"Aquilo que é importante é que tenhamos a consciência de que a cultura vai além dos mandatos, vai além da nossa vida, vai para além das gerações", afirmou.

O escultor Zulmiro de Carvalho disse ser "gratificante" ter na cidade uma peça da qual gosta muito. Lembrou, ainda, a proximidade da obra às  de "amigos dos quais fui muito íntimo: os dois painéis do mestre Resende, a peça do Alberto Carneiro, o Fernando Lenhas, o José Rodrigues - é esse o meu contentamento de hoje".

A "ASA" foi criada na sequência do Porto Cartoon World Festival, certame anual de desenho humorístico promovido pelo Museu Nacional da Imprensa, cuja edição de 2010 teve como vencedor o polaco Jerzy Gluszek com o desenho "In the air tonight" - que representava uma mulher a engomar numa das asas de um avião.
Como é hábito, um escultor é desafiado a reinterpretar artisticamente o desenho vencedor e, neste caso, Zulmiro de Carvalho foi então convidado a reinterpretar o cartoon, criando uma grande peça em aço composta por dois segmentos: um tronco cilíndrico vertical de 90cm de diâmetro onde assenta uma asa que alude ao desenho premiado. 

Por razões desconhecidas, a obra foi retirada do espaço público pouco tempo após a sua inauguração, tendo sido armazenada em condições que a danificaram profundamente e de forma praticamente irrecuperável, situação que Rui Moreira conseguiu reverter com o forte empenho do próprio artista e do Museu Nacional da Imprensa, cujo presidente, Luís Humberto Marcos, participou também na sessão de hoje. A escultura regressa agora com uma estrutura que garante um envelhecimento mais homogéneo.

A (re)inauguração da "ASA" no local original vem também enriquecer o Mapa de Arte Pública do Porto apresentado pela autarquia em julho de 2017, que sistematizou uma nova abordagem ao imenso acervo patrimonial da cidade. Nele estão referenciados mais de 220 painéis e esculturas que fazem do Porto um museu a céu aberto e que são organizados em cinco propostas de atravessamento do território com itinerários temáticos: Rota Histórica, Rota da Água, Rota das Letras, Rota Escola das Belas Artes e Rota de Arte Contemporânea.

Zulmiro de Carvalho nasceu a 12 de março de 1940, em Gondomar, e é autor de obras como "As Sete Cooperativas" no parque habitacional da Prelada, a pirâmide granítica no Jardim de Paulo Vallada ou a obra de homenagem "Aos 150 Anos do Cemitério do Prado de Repouso". É conhecido pelas suas estruturas simples, sóbrias e grandiosas, utilizando como materiais preferenciais o ferro, o bronze e o aço, combinados com o mármore, a ardósia e a madeira.