Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Cidade participa em estudo mundial sobre a economia circular de alimentos
14-03-2019
O Município do Porto foi desafiado pela Fundação Ellen MacArthur a estudar a transição para um sistema de alimentação circular. São Paulo, Bruxelas e Guelph (Canadá) completam o restrito grupo de cidades envolvidas na investigação.

"As cidades podem liderar uma transformação na forma como os alimentos são produzidos e consumidos?". Foi sob este mote que a Fundação Ellen MacArthur nomeou quatro "cidades-foco" para avaliarem como se poderá evoluir para uma economia circular de alimentos.

Esta oportunidade surge após aquela organização norte-americana, que tem como missão acelerar a transição rumo a uma economia circular, ter apresentado o relatório "Cities and the Circular Economy for Food" ("As Cidades e a Economia Circular de Alimentos"), no Fórum Económico Mundial de Davos, em janeiro.

O envolvimento do Município no estudo acontece alinhado com o Roadmap do Porto para a Economia Circular, instrumento estratégico para a afirmação da Cidade Circular até 2030. Entre as premissas desta estratégia surge a valorização dos bio resíduos e de vários programas e projetos levados a cabo pelos serviços municipais, empresa municipal Porto Ambiente, Lipor e outros agentes ativos nesta matéria do concelho do Porto.

Nas principais conclusões desta investigação, verifica-se a necessidade de localizar a origem de alimentos produzidos de forma regenerativa e identificar os produtores locais. Além disso, o estudo aponta que o caminho passa por explorar melhores escolhas alimentares e continuar a promover a valorização da recolha seletiva dos resíduos orgânicos e o seu tratamento, por exemplo, por compostagem.

Entre as linhas orientadoras do estudo, também se conclui importante que a Câmara do Porto continue a potenciar projetos já implementados, como o Embrulha e o Dose Certa, que têm dado um importante contributo para a redução de resíduos alimentares.

Só no ano de 2018, o Embrulha evitou desperdício alimentar de 12,7 toneladas, contribuindo para a emissão de menos 2,67 toneladas de dióxido de carbono para a atmosfera.

No decurso da elaboração do estudo - que mereceu a cooperação ativa do Município do Porto, da Fundação Calouste Gulbenkian e de parceiros e atores locais relevantes - a cidade recebeu a visita dos investigadores da equipa da Fundação Ellen MacArthur, para uma compreensão mais clara e integrada do sistema alimentar atual.