Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Casa das Artes exibe literatura luso-galaica e maquetas de museus
11-03-2019
Fac-símiles de obras da literatura portuguesa e galega e maquetas de museus que foram habitadas por bichos-de-conta são tema das duas exposições inauguradas na Casa das Artes, no passado sábado, com a presença do presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, e da antiga companheira de José Saramago, Pilar del Río.

A exposição «Bibliotecas no Espelho Norte de Portugal / Galiza - uma viagem pelo livro e pela literatura através das edições fac-símiles», patente ao público até 15 de abril com entrada livre, apresenta obras produzidas por alguns dos maiores vultos da literatura portuguesa e galega e representativas de grandes movimentos literários e culturais em ambas as regiões desde o século XII, com origem no património literário comum da poesia galaico-portuguesa, à atualidade.

Comissariada por Ana Araújo e Ignácio Cabano, esta exposição reúne obras de Martin Codax, Bernardim Ribeiro, Luís de Camões, Almeida Garrett, Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Antero de Quental, Florbela Espanca, Fernando Pessoa, José Régio, Miguel Torga e Agustina Bessa-Luís, entre outros.

A exposição é promovida no âmbito do projeto Nortear, desenvolvido pela Consellería de Cultura e Turismo da Xunta de Galicia, pela Direção Regional de Cultura do Norte e pelo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galicia - Norte de Portugal, com o apoio do programa transfronteiriço Interreg, através do qual as três entidades pretendem promover conjuntamente a cultura portuguesa e a galega, particularmente no que ao domínio da língua e literatura diz respeito.

A outra mostra inaugurada é "Quando se extinguiram o espaço ficou vazio", de Sebastião Resende, que integra maquetas de espaços expositivos de museus, habitadas por bichos-da-seda.

Esta exposição, patente até 15 abril, abre o ciclo "Animalidades e outras botânicas" que decorre até ao próximo ano, com curadoria de Óscar Faria e organização do Sismógrafo. Inclui, não só um conjunto de nove maquetas de espaços expositivos de museus, que foram habitadas por bichos-da-seda que assim deixaram as suas marcas e corpos nos objetos agora revelados, mas também uma série inédita de desenhos com a mesma temática.

O ciclo "Animalidades e outras botânicas", através do qual se pretende refletir acerca das interações do humano com outras espécies, é formado por seis exposições, sendo que neste ano serão ainda reveladas obras de Filipa Tojal e Hernâni Reis Baptista, seguindo-se em 2020 trabalhos de Manuel João Vieira, Francisco Pinheiro (West Coast) e a coletiva "murgos biliosos, caules de gisandra, líquenes, doenças vagarosas".