Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Casa da Música desafia a conhecer novas tendências do jazz em quatro dias
02-05-2018

Está aí a sétima edição do Spring On - Rito da Primavera, ciclo em que a Casa da Música reúne algumas das propostas mais desafiantes do jazz atual, privilegiando os projetos de jovens músicos europeus.


Entre esta quinta-feira e domingo, o Spring On leva ainda mais longe a ousadia de apreciar o jazz e dá particular destaque à vertente da improvisação. Para tal, apresenta formações cujas referências podem "distanciar-se mais ou menos da tradição do jazz, para se atravessarem sem qualquer pudor pelas sonoridades do rock, da eletrónica, das músicas tradicionais ou das novas tendências urbanas".

O programa começa às 22 horas de quinta-feira com um concerto de entrada livre pelo trio B-Mesmo, cujo trabalho assenta em canções das mais inesperadas proveniências, desde melodias populares judaicas a temas como "São Jorge", do brasileiro Kiko Dinucci, ou "Dolcenera", do italiano Fabrizio De André. O contrabaixista Walter Areia junta-se neste projeto a Elena La Conte (flauta e voz) e Kristina Van de Sand (violino e voz), apresentando arranjos originais que transpiram multiculturalidade.

Na noite de sexta-feira, há sessão dupla. Pelas 22 horas apresenta-se Paisiel, o enigmático nome do projeto que reúne o baterista, percussionista e escultor sonoro João Pais Filipe com o saxofonista alemão Julius Gabriel. Alicerçada numa exploração individual do som e das possibilidades expressivas dos instrumentos, a música deste duo traduz um impulso de sistematização de referências sem correspondências nem afinidades óbvias.

Uma hora depois, é a vez do quinteto Honest John, onde encontramos alguns dos músicos mais ativos e criativos do jazz e da música improvisada da Noruega. Inspirando-se em fontes tão diversas como o free jazz holandês, o samba jazz brasileiro e compositores eruditos como Webern e Sciarrino, o resultado são composições enérgicas com grande abertura para a improvisação do coletivo em palco.

Julius Gabriel volta à Sala 2 da Casa da Música na noite de sábado, pelas 22 horas, desta vez para apresentar o seu primeiro álbum a solo: Dream Dream Beam Beam. O saxofonista organiza as suas idiossincráticas influências musicais por forma a criar um mantra fluido de padrões circulares, overtones e erupções de free jazz, que pode ser compreendido como a síntese possível de uma longa tradição jazzística intersetada por imaginativas intrusões de drones e noise.

Logo em seguida, é a vez do septeto Heartbreakers, que desafiou a cineasta francesa Amarante Abramovici para embarcar numa colaboração com vista à criação de um espetáculo audiovisual. A partir de linguagens musicais que preenchem o repertório deste septeto, Abramovici empresta uma visão transversal da história, um olhar sobre o passado com vista a interpretar o presente e informar um possível futuro. A sonoridade dos Heartbreakers constrói-se numa interação simbiótica entre instrumentos acústicos e digitais, incidindo sobre quatro compositores do século XX que muito marcaram a sétima arte: do minimalismo de Michael Nyman e Marc Mellits à linguagem avant-pop de JacobTV e aos ragas indianos de David Brown.

O Spring On termina no domingo com nova dose dupla: Enrico Zanisi e Roque. Ás 21 horas, começam "Piano Tales" de Enrico Zanisi, jovem músico de formação multifacetada que inclui estudos aprofundados de piano clássico e incursões adolescentes pelo rock, mas também provas dadas no domínio do jazz. Este género tornou-se mesmo no seu habitat natural a partir dos 15 anos e, agora, com 27, Enrico é uma das mais sonantes revelações do jazz italiano recente. Multiplicando atuações em festivais e clubes de jazz do seu país e em paragens tão diversas como Noruega, Reino Unido, Polónia, México, Brasil, Índia, Marrocos e Israel, colabora também com Sheila Jordan, David Liebman, Andy Sheppard, Giovanni Tommaso, Roberta Gambarini e muitos outros.

Às 22 horas, apresenta-se o quarteto Roque, que é formado por João Roque (composição e guitarras), João Capinha (saxofones e clarinete), Xico Santos (contrabaixo) e João Rijo (bateria). Com um disco editado em 2016, Roque apresenta a música de João Roque, fundindo influências do rock e do jazz e privilegiando melodias cativantes e ambientes sonoros com forte componente imagética. Formado pela JB Jazz e pela Escola Superior de Música de Lisboa, João Roque tem-se destacado através de projetos como Cat's Cradle Trio e Cat's Cradle 4et, que lidera, colaborando também como sideman noutras bandas.

5.ª feira - entrada livre
6.ª feira - 5 euros
sábado - 5 euros
domingo - 5 euros
Assinatura Spring On - 10 euros