Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Câmara resolve problema histórico da extinta Fundação para o Desenvolvimento da Zona Histórica do Porto
11-06-2014

A Câmara vai agora trabalhar com as IPSS para aproveitar este importante ativo, a favor do repovoamento do Centro Histórico, da reabilitação urbana e da coesão social. A nova solução não implica a criação de qualquer estrutura ou custo, uma vez que a Fundação foi finalmente extinta.


Mais uma solução que honra o Porto, graças ao empenho do presidente da Câmara, Rui Moreira, do vereador da Habitação e Ação Social, Manuel Pizarro, e do Secretário de Estado da Solidariedade e Segurança Social, Agostinho Branquinho, que contaram com a colaboração da CNIS e do Centro Regional de Segurança Social do Porto.


"Leio este ato como uma prova de confiança do Governo na Câmara do Porto e como o reconhecimento que o nosso programa de governo, orientado para a coesão social e para a preservação dos valores da cidade, diz bem com a solução encontrada para o futuro deste património", afirmou Rui Moreira.
"A Câmara do Porto, e os seus parceiros locais que se estendem numa rede pela cidade - e aqui incluo as juntas de freguesia -, sabe melhor do que ninguém mover-se na quadrícula que é a urbe, percebe melhor as questões relacionadas com o património e com a reabilitação e, sobretudo, conhece quem mais precisa e como chegar mais depressa a quem mais precisa", acrescentou.


Agostinho Branquinho destacou, por seu turno, a celeridade com que foi possível proceder à extinção definitiva da fundação, afirmando que, depois de uma primeira reunião em dezembro, "meio ano depois resolveu-se um problema que tinha seis anos".


Já Manuel Pizarro deixou a garantia que "os recursos serão utilizados no apoio ao desenvolvimento de atividades de desenvolvimento e reinserção social, levadas a cabo por instituições particulares de solidariedade social e outras instituições de atuem no centro histórico". "Esta decisão assegura o retomar de um esforço de promoção da coesão social na zona histórica do Porto, em consonância com a prioridade estabelecida pelo executivo para a ação do município", acrescentou.