Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Câmara e PSP em sintonia na definição de plano estratégico de segurança para os próximos anos
19-01-2018
O balanço da cooperação entre a PSP e a Câmara do Porto é "bastante positivo", afirmaram esta tarde o diretor nacional da PSP, Luís Farinha, e o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, após o final da reunião que tiveram à porta fechada. No encontro, foi analisado também o plano estratégico de cooperação entre as duas entidades para os próximos quatro anos, e avaliou-se ainda o contrato interadministrativo que, brevemente, será selado.

Foi à margem da visita ao Centro de Gestão Integrada que o superintendente-chefe, Luís Farinha, e Rui Moreira fizeram um resumo da reunião havida anteriormente, à porta fechada, na Casa do Roseiral, residência oficial do presidente da Câmara do Porto. Para os dois representantes, fica como nota principal o saudável entendimento entre o Comando Metropolitano do Porto e a Polícia Municipal em todo o espectro de atuação das forças de segurança na cidade.



Na reunião, conforme indicou o diretor nacional da PSP, foram abordados "assuntos de interesse comum, como a vídeoproteção e a gestão da ordem pública". Em cima da mesa esteve também o plano de cooperação estratégica para o próximo quadriénio, o policiamento de grandes eventos no Porto, a celebração do próximo contrato interadministrativo, tendo sido igualmente feito o balanço do sistema de videovigilância na cidade, enquanto modelo evolutivo de proteção dos cidadãos. Para o superintendente-chefe, esta foi a primeira de um conjunto de reuniões que ambas as entidades pretendem dar continuidade, com o objetivo último de "maximizar a segurança dos portuenses".

O convite para a reunião que trouxe o diretor nacional da PSP ao Porto partiu de Rui Moreira que, após ter conduzido a visita de Luís Farinha ao Centro de Gestão Integrada, se manifestou satisfeito por poder apresentar o que neste espaço é feito em matéria de monitorização e segurança. Defendeu a ideia de que o Porto "é uma cidade confortável, interessante e segura" e salientou a "aprendizagem conjunta" decorrente da cooperação na organização de grandes eventos. "Acredito que a razão pela qual as pessoas aparecem em massa é porque sentem que o trabalho está a ser bem feito", frisou Rui Moreira.

Segundo o diretor nacional da PSP, há ainda que salientar que "independentemente das vicissitudes que possam existir no terreno", a Polícia de Segurança Pública continua a funcionar e a prestar um serviço de qualidade às populações. E referiu, no final, que os indicadores apontam para o aumento do sentimento de segurança das populações e para a descida da criminalidade nos últimos anos.

A visita contou ainda com a presença do comandante da Polícia Municipal, António Leitão da Silva, o vice-presidente da Câmara do Porto, Filipe Araújo, e a vereadora responsável pelo Pelouro da Fiscalização e da Proteção Civil, Cristina Pimentel.

O Centro de Gestão Integrada abriu em 2015, no quartel-general dos Bombeiros Sapadores do Porto, e é um espaço pioneiro no país. Na mesma sala de operações, denominado o "cérebro da cidade", encontram-se forças de socorro, de segurança, de proteção civil e demais entidades que agilizam a monitorização do espaço urbano e contribuem para a articulação dos vários agentes no quotidiano.