Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Câmara do Porto já ajudou a criar cinco mil postos de trabalho com política de atração de investimento
20-04-2016

A Câmara do Porto aprovou ontem as contas de 2015, que revelam uma execução orçamental próxima dos 80% e uma redução de 8% no endividamento. As boas contas da autarquia foram aprovadas em reunião de executivo, indicando também que o município paga aos seus fornecedores em apenas seis dias.


O relatório das contas municipais ontem aprovado mostra que a Câmara do Porto consegue, graças à sua política orçamental e de gestão, possuir neste momento saldo suficiente para lançar grandes projetos, como o da requalificação do Mercado do Bolhão, cujas primeiras obras de infraestrutura se iniciam este verão, ou o Matadouro, que hoje será apresentado em Campanhã. No total, estes dois projetos representam investimentos da ordem dos 37 milhões de euros, saldo que a autarquia possui neste momento e que lhe permite avançar, sem dependência externa, para a sua concretização.


Os números, que revelam também um forte investimento na área social, onde se destacam as obras de requalificação e melhoramento das habitações municipais e o fundo de solidariedade, que tem apoiados centenas de famílias carenciadas no Porto, mostram também que o Porto está a conseguir atrair investimento.


MAIS DE 130 REUNIÕES COM INVESTIDORES


Em 2015, a Câmara do Porto centrou a sua atuação na criação de um ecossistema e um ambiente de negócios mais competitivo, favorável à dinamização empresarial e à atração de investimento para a cidade do Porto.


A maior parte das ações nesta matéria passou por diplomacia económica, muitas vezes liderada pelo próprio presidente da Câmara em visitas internacionais e na receção, no Porto, de investidores, mas também pelo gabinete InvestPorto, criado por Rui Moreira para agilizar este processo. Muitas das empresas que se interessaram pela cidade são de áreas tecnológicas e de inovação.


Neste âmbito, foram realizadas mais de 130 reuniões com investidores e outros agentes económicos nacionais e internacionais, com vista à redução de custos de contexto e à facilitação e simplificação de procedimentos tendentes à instalação de novos negócio ou empresas.


No âmbito da articulação interinstitucional, foi operacionalizada uma rede de parcerias através de 31 protocolos de cooperação com agentes económicos e instituições nacionais e internacionais que representam mais de 13.000 associados, incluindo mais de 12.000 empresas (associações empresariais, pólos de competitividade e clusters), universidades e centros de investigação e desenvolvimento, câmaras de comércio e organismos públicos de referência no apoio à atividade empresarial e à atração de investimento.


42 PROJETOS DE INVESTIMENTO APOIADOS


No apoio ao investidor, e mais especificamente na atividade de angariação de investimento, foram apresentadas 50 propostas de localização empresarial a potenciais investidores. No leque de serviços direcionados ao investidor, foram apoiados 42 projetos de investimento, 22 dos quais internacionais, que poderão contribuir para a criação de mais de 5.000 postos de trabalho diretos, em setores de atividade diversos, maioritariamente concentrados nos serviços partilhados de alto valor acrescentado, TIC, imobiliário, turismo e agroindustrial.


No âmbito da projeção internacional da cidade do Porto, destaca-se o apoio à realização de seis missões a mercados internacionais estratégicos e ao acolhimento de cinco missões internacionais, bem como à promoção de 11 outros eventos internacionais, com o objetivo de afirmar internacionalmente a imagem da cidade como destino favorável à atração de investimento e ao acolhimento empresarial.


Numa outra vertente mais focalizada na Business Intelligence, desenvolveram-se novos canais de acesso a fontes de informação relevantes de apoio à tomada de decisão do investidor.


CDU CRITICA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL


Durante a discussão do tema, o vereador Pedro Carvalho, da CDU, criticou os quase 80% de execução orçamental. Mas, Rui Moreira, demonstrou que, face ao quadro legal atual, esse valor é até elevado, quando comparado com os valores apresentados, por exemplo, por concelhos como os de Évora ou Setúbal.