Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Câmara do Porto arrebata quatro "Óscares" da museologia portuguesa
12-06-2017
A cerimónia anual de atribuição dos prémios da Associação Portuguesa de Museologia (APOM), considerados os "Óscares" dos museus portugueses, realizou-se desta vez no Museu Nacional de Soares dos Reis e tornou o fim de semana ocasião de celebração para todos os envolvidos nos três projetos municipais do Porto que, em conjunto, arrecadaram, quatros Prémios APOM 2017.

Os distinguidos foram o programa de promoção cultural e patrimonial "Um Objeto e seus Discursos por Semana" e as exposições "Aurélia, mulher artista" e "100 Tesouros da Biblioteca Pública do Porto", que entraram assim para a lista do que de melhor se fez no panorama museológico nacional durante o ano passado.

"É um estimulante balanço para o trabalho desenvolvido pelo Pelouro da Cultura e os diversos serviços municipais", considera o adjunto do presidente da Câmara do Porto para a Cultura, Guilherme Blanc, sublinhando que foi a conjugação "de "opções políticas claras quanto à prioridade da ação cultural com o esforço coletivo de técnicos altamente qualificados e empenhados" que possibilitou atingir "estes resultados extraordinários que são também um reflexo da forma como a Câmara tem vindo a interpelar o património da cidade com linguagens contemporâneas".

Por sua vez, a diretora municipal de Cultura e Ciência, Mónica Guerreiro, considera que os quatro Prémios APOM agora conquistados pela Câmara do Porto "significam, entre pares, o reconhecimento do trabalho desenvolvido". Mónica Guerreiro acrescenta que as distinções "são também a oportunidade de traduzir em visibilidade pública não só o resultado de um projeto ou exposição, o que é já por si muito gratificante, mas também todo o trabalho que antecede a sua montagem e preparação, com vista a chegar junto dos portuenses e do público em geral de uma forma que os envolva efetivamente na fruição do património e na vivência cultural da sua cidade". Um "trabalho sério e abnegado", como sublinha o júri dos Prémios APOM 2017.

Objetos que fazem a cidade

Um dos galardoados, "Um Objeto e seus Discursos por Semana", é programa que o Pelouro da Cultura fez entrar na rotina cultural da cidade há já quatro anos e que, através de conversas semanais, estimula conversas e debates em torno do património material e imaterial do Porto.

O alcance das dezenas de sessões realizadas - com cerca de 300 convidados de quadrantes sociais e saberes mais diversos - que permitem descobrir locais e objetos habitualmente inacessíveis ao público, valeu-lhe o Prémio de Parceria, pois o Pelouro da Cultura da Câmara do Porto aprofunda com este programa uma rede de relações com entidades públicas e privadas e até particulares da cidade, tendo como objetivo a reativação patrimonial, a (re)descoberta do território urbano e a ligação à identidade cultural da cidade, passada e presente.

"Aurélia, mulher artista"

"Aurélia, mulher artista", a exposição que assinalou o 150.º aniversário do nascimento da pintora e fotógrafa Aurélia de Sousa, nascida a 13 de junho de 1866, conquistou não um, mas dois galardões da APOM nas categorias de Exposição Temporária e de Catálogo.

A exposição, que esteve patente na Casa-Museu Marta Ortigão Sampaio (em parceria com o Museu da Quinta de Santiago/Matosinhos), constituiu uma homenagem à obra daquela que é considerada uma das mais importantes pintoras portuguesas, privilegiando (no polo portuense) a figura humana, os retratos e autorretratos, cenas familiares e de rua.

Além da Menção Honrosa na categoria de Exposição Temporária, "Aurélia, mulher artista" arrebatou mesmo o Prémio (1.º lugar) na categoria de Catálogo com a edição assinada pela curadora da exposição, a historiadora de arte Filipa Lowndes Vicente, que ali retrata a vida e obra de Aurélia de Sousa.

"100 Tesouros da Biblioteca"

O quarto prémio arrecadado na cerimónia da APOM recaiu sobre "100 Tesouros da Biblioteca Pública do Porto", a exposição que esteve patente na Galeria Municipal do Porto e que nasceu da ideia do antigo vereador da Cultura Paulo Cunha e Silva, propondo uma viagem ao espólio da Biblioteca Pública Municipal do Porto (BPMP).

Obras impressas, códices medievais, mapas, litografias e manuscritos diversos foram descritos, explicados e apresentados em estruturas desenhadas, numa exposição comissariada por Fernando Pinto do Amaral, que permitiu conhecer o espólio da BPMP e, simultaneamente, provocar maior interesse sobre o que este equipamento municipal encerra em termos de História da cidade.