Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Câmara ajuda Centro de Apoio Social a Deficientes das Forças Armadas
17-12-2018
A Câmara do Porto vai conceder ajudas para melhorar o apoio social prestado pela Associação dos Deficientes das Forças Armadas (ADFA) aos seus associados.

O respetivo protocolo, que foi assinado pela autarquia e pela ADFA a propósito do 44.º aniversário da associação, estabelece o compromisso de apoio da Câmara do Porto às obras de recuperação do imóvel onde funciona atualmente o Centro de Apoio Social do Porto (CASP), uma das valências da instituição.

O montante global da contribuição financeira a atribuir neste âmbito ascende a 200 000 euros.

A cerimónia de formalização do apoio, que decorreu nas instalações da delegação do Porto da ADFA, contou com a presença do presidente da Câmara, Rui Moreira, e do vereador da Coesão Social, Fernando Paulo, que se juntaram neste ato ao diretor nacional da ADFA e ao presidente da direção da delegação do Porto, o comendador José Arruda e o tenente Abel Fortuna, respetivamente.

A remodelação e a ampliação das instalações existentes, que se encontram em elevado estado de degradação e desadequadas para comportar as novas valências, nomeadamente para instalação das suas áreas associativa e social, permitirão acolher o Centro de Apoio Integrado do Porto (CAIP), destinado à reabilitação psicossocial na área da saúde mental.

A ADFA foi constituída em 14 de maio de 1974 por iniciativa dos Deficientes Militares, com o objetivo de desenvolver um trabalho social orientado para a reabilitação dos milhares de jovens deficientes durante a prestação do Serviço Militar, assente em valores como a camaradagem, solidariedade e luta pelos direitos e dignidade humana.

Com sede em Lisboa, a associação conta com 12 delegações e vários núcleos, encontrando-se implantada em todo o território nacional. Ao longo destes 44 anos de existência, a ADFA tem assumido uma postura socialmente útil, responsável para com o meio em que atua, recriando-se através da constituição de novas respostas e estruturas, de modo a contribuir para a melhoria da qualidade de vida das pessoas com deficiência.