Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

A Câmara do Porto e a Escola Nacional de bombeiros assinaram um protocolo par a criação de uma Unidade Local de Formação na cidade.
16-01-2015

A Câmara Municipal do Porto e a Escola Nacional de Bombeiros assinaram hoje um protocolo para criação de uma Unidade Local de Formação (ULF).


A Unidade vai operar nas instalações do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto e vai estar à disposição dos 45 corpos de bombeiros existentes no distrito do Porto e funcionará em rede com as restantes ULF do distrito, designadamente Coimbrões, Vila do Conde e Baltar.


Para além da formação dos bombeiros, o presidente da Câmara do Porto salientou também o facto da capacidade instalada permitir "capacitar e desenvolver as competências de empresas e outras entidades privadas". Rui Moreira, no discurso da assinatura do protocolo, referiu o "grande investimento" que o Porto tem feito na área da proteção e socorro, nomeadamente através do Batalhão de Sapadores.


Com a criação da primeira ULF no Porto e a segunda num município dotado de bombeiros sapadores, a Escola Nacional de Bombeiros aumenta a sua rede de infraestruturas de formação para 35 protocoladas.


Por sua vez, o presidente da Escola Nacional de Bombeiros, José Maria Ferreira, destacou a importância desta Unidade mais orientada para os bombeiros profissionais. "A Escola Nacional de Bombeiros tem espalhadas 39 unidades locais de formação, mas tradicionalmente orientadas para os bombeiros voluntários, mas no que diz respeito a bombeiros profissionais havia algum vazio", refere o responsável. José Maria Ferreira, em declarações aos jornalistas, explicou ainda que esta Unidade vai permitir assegurar uma série de "questões no âmbito das suas [bombeiros] carreiras enquanto profissionais".


A criação da ULF do Porto insere-se numa estratégia de proximidade formativa e como uma forma de descentralizar a formação dos bombeiros dos centros nacionais de Sintra, Lousã e São João da Madeira. Está prevista a entrada em funcionamento dentro de dois, três meses.