Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Assembleia valida cedência do complexo desportivo de Campanhã ao Salgueiros
04-12-2018
O Sport Comércio e Salgueiros vai ter a sua nova casa no campo do Complexo Desportivo de Campanhã. A proposta do Executivo de Rui Moreira foi nesta segunda-feira aprovada por todas as forças políticas representadas na Assembleia Municipal, à exceção de uma abstenção do PS. A solução encontrada resolve o problema do histórico clube, que poderá agora, com estabilidade, investir no futuro das suas escolas de formação. 

"Desde 2005, as camadas jovens do Salgueiros utilizam o campo de Campanhã para treinar" e, atualmente, "cerca de 90% das horas" já estão a ser despendidas pelo clube, afirmou o presidente da Câmara do Porto na sessão extraordinária da Assembleia Municipal.

Neste acordo de cedência, adiantou Rui Moreira, o Sport Clube e Salgueiros assume o compromisso de investir "cerca de 600 mil euros" na remodelação das instalações, que continuarão abertas à comunidade, também para a prática do desporto adaptado.

Em detalhe, esse investimento será aplicado na construção de vedações; na colocação de novo relvado; na reabilitação e ampliação dos balneários e edifícios de apoio; na introdução de painéis solares para o aquecimento das águas; na cobertura e na colocação de lugares sentados na atual bancada, bem como na colocação de novas bancadas (totalizando cerca de 400 lugares sentados).

A nível técnico, o Sport Comércio e Salgueiros compromete-se a disponibilizar os seus técnicos para ações de formação a realizar no concelho do Porto, bem como a abrir as suas escolas de formação desportiva às crianças e jovens da área do Município, uma vez por ano, num open day.



Deputados municipais destacam vantagens desta decisão

Depois desta intervenção, todas as forças políticas manifestaram o seu apoio à solução encontrada pela Câmara do Porto. Do Bloco de Esquerda, o deputado municipal Pedro Lourenço reconheceu que "o Município tem feito um esforço para recuperar espaços desportivos" que fazem falta à cidade, tal como Rui Moreira já tinha constatado. E elencou três razões para o sentido de voto favorável do BE: o apoio a uma coletividade "que merece"; o investimento que será feito no equipamento; e o facto de o acordo firmado com a empresa municipal PortoLazer permitir que o Complexo Desportivo de Campanhã continue a estar disponível para outros clubes e associações da cidade e para a prática de desporto adaptado.

Da parte de Rui Moreira ficou dada a garantia de que a execução do contrato será acompanhada e fiscalizada pela empresa municipal PortoLazer, tal como já previa a proposta apresentada pela vereadora Catarina Araújo, responsável pelo Pelouro da Juventude e Desporto, aprovada por unanimidade em reunião de Câmara da semana anterior.

Por seu turno, Artur Ribeiro, da CDU, recordou que é dever da autarquia "estender a mão" ao Salgueiros, uma vez que, em tempos idos, o clube "foi vítima de uma péssima decisão da Câmara Municipal". Recordava-se o deputado comunista que durante o período conturbado que o Sport Clube e Salgueiros atravessou, acabou por perder em tribunal um terreno que havia sido cedido pelo Município por um período de 70 anos. "Perderam os dois, porque se a Câmara tivesse garantido que o período de cedência cessaria assim que se verificasse incumprimento na utilização do campo", provavelmente ainda hoje o terreno continuaria na sua posse, analisou.

A intervenção menos entusiasta veio do socialista Ernesto Santos, presidente da Junta de Freguesia de Campanhã, que avisou que iria abster-se na votação, ao contrário do seu partido, que votou a favor. Entre as razões apontadas, o presidente da Junta lamentou não ter sido informado previamente pela Câmara do Porto sobre esta intenção, e imediatamente recebeu de Rui Moreira um pedido de desculpas. Não obstante, o também deputado municipal questionou se os interesses futuros do Complexo Desportivo de Campanhã estariam assegurados com esta cedência, considerando que o Clube Desportivo de Portugal, que treina no Ruy Navega, "vai ficar sem campo" brevemente (embora a sede do Desportivo de Portugal esteja localizada na freguesia do Bonfim, o campo de treinos do clube está em Campanhã).

Do PSD, o deputado Alberto Machado, também presidente da Junta de Freguesia de Paranhos, manifestou o desejo de ver nesta uma solução transitória, dado que considerou ser "indissociável o Salgueiros de Paranhos". Mas sublinhou que "é já uma vitória para o Salgueiros passar a jogar no Porto depois de anos a jogar em Matosinhos e na Maia".

Desportivo de Portugal também terá solução garantida pela Câmara

A reboque da discussão sobre o Salgueiros, o presidente da Junta de Freguesia de Campanhã, questionou que futuro estaria assegurado para o Clube Desportivo de Portugal.

Rui Moreira garantiu que o Município não deixará que o Desportivo de Portugal "fique pendurado". Referia-se o presidente da Câmara do Porto à atual situação do clube, que brevemente ficará sem o campo em que treina (Ruy Navega), porque este foi expropriado para a construção do Terminal Intermodal de Campanhã.

Entretanto, o clube tem garantido novo campo num terreno localizado na Rua de Justino Teixeira, terreno esse que pertence ao Estado e que foi garantido ao Município há mais de dois anos pelo Ministério da Saúde, como contrapartida à construção do Centro de Saúde de Ramalde, que já está pronto há três meses, lembrou.

Embora reconheça "o problema de décalage de tempo", Rui Moreira sustentou que nem o Município nem o Desportivo de Portugal têm a culpa dos últimos acontecimentos. Aliás, referiu, o clube "não tem culpa que se tenham assumido compromissos que a Câmara do Porto cumpriu e que o Governo não". De todo o modo, o autarca garantiu à Assembleia Municipal que o Desportivo de Portugal terá o seu futuro salvaguardado.

"Também a população de Ramalde pode estar tranquila, porque cumprimos o nosso compromisso", acrescentou. Nesta segunda-feira, o Município anunciou que vai entregar Centro de Saúde ao Estado, mas exige que este cumpra o acordo em 90 dias.