Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Aposta na reabilitação de Campanhã já tem plano, custará 75 milhões e "emociona" Rui Moreira
15-12-2016

"A reabilitação de Campanhã vai mesmo avançar e era bom que houvesse da parte de todas as forças políticas consenso nesta matéria, para que o que agora estamos a iniciar não pare". Foi esta a ideia que Rui Moreira deixou ontem "com emoção" na apresentação da Operação de Reabilitação Urbana da ARU de Campanhã-Estação. O programa de ação relativo a esta operação sistemática prevê uma profunda operação de reconversão e de reabilitação urbana, associado a um investimento global de cerca de 75 milhões de euros, num prazo de dez anos.


Durante a apresentação, que decorreu no Espaço Mira, em Campanhã, o vereador do urbanismo, Manuel Correia Fernandes, explicou que a coesão territorial e social da Cidade constitui uma prioridade do atual Executivo Municipal, com vista ao desenvolvimento harmonioso da totalidade do seu território, preocupação que tem vindo a resultar num conjunto de projetos e ações integradas. "Nesse sentido, a Câmara Municipal definiu a zona oriental da cidade como prioritária na sua ação de planeamento e investimento", afirmou.


Nos últimos três anos o esforço de planeamento urbano tem vindo a centrar-se, para além do processo de revisão do PDM em curso, no incremento das ações tendentes à dinamização da reabilitação urbana, definida precisamente como um dos pilares da política deste executivo.


Isabel Martins, Diretora do Departamento Municipal de Planeamento Urbano, declarou que, além de Campanhã, estão já a avançar com "trabalhos de delimitação de novas áreas de reabilitação urbana, todas elas fora deste núcleo mais central: Foz Velha, Lordelo do Ouro e Corujeira-Cerco do Porto".   




A Operação agora lançada em Campanhã pretende gerar um território qualificado, de excelência, para viver, trabalhar e usufruir da natureza, numa zona que hoje desempenha um papel central na organização da área metropolitana e na articulação entre o centro e a periferia, que se afirme como um novo e qualificado polo de desenvolvimento da Cidade e da Região.


 A operação inclui cinco eixos, 10 projetos estruturantes e 39 ações concretas, nas quais se inclui a construção e consolidação de duas fortes áreas empresariais e a construção do interface intermodal de Campanhã, cujo processo já se iniciou.


LER MAIS AQUI