Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Apesar da pandemia ocupação de escritórios no Porto aumentou 38%
06-08-2020

Nem a pandemia travou a dinâmica empresarial e económica do Porto, como provam os números da procura de escritórios na cidade: no primeiro semestre deste ano, o volume de ocupação aumentou 38%. Dois terços dos negócios efetuados envolveram empresas multinacionais.


A comparação com os dados do primeiro semestre de 2019 é elucidativa. O mercado de escritórios no Grande Porto registou um aumento de 38% no volume de ocupação, para um total de 28.381 metros quadrados de escritórios preenchidos.

De acordo com os dados recolhidos no relatório OnOffice, elaborado pela consultora imobiliária Predibisa, a dinâmica de crescimento do mercado de escritórios na cidade Invicta não foi beliscada pela incerteza da pandemia. Apesar de um menor número de transações registadas (menos 4%, num total de 24 negócios), o valor médio contratado por operação aumentou para 1.183 m2. Esta variação foi influenciada positivamente por quatro operações acima dos 3.000 m2.

O mesmo relatório esclarece, ainda, que dois terços das transações fechadas até junho envolveram empresas multinacionais. Destas, 38% dizem respeito à instalação de novas empresas na região, o que serve para confirmar a crescente atratividade do Porto na área empresarial a nível internacional.

Este dado vem corroborar as conclusões de um estudo desenvolvido pelo Município do Porto, realizado através do gabinete de atração de investimento InvestPorto, onde se assinalava que apesar do forte impacto da pandemia na economia local, a maioria das empresas estratégicas para o desenvolvimento económico do Porto encara o futuro de forma positiva e mantém a intenção de continuar a recrutar novos colaboradores.

Por outro lado, 50% da ocupação de escritórios no Porto durante o primeiro semestre foi motivado pela expansão de área das empresas. Neste período, a cidade Invicta absorveu 65% da área colocada.

"A boa performance deste primeiro semestre, no seguimento do que tem vindo a acontecer nos últimos anos no mercado de escritórios do Grande Porto, deve-se à conclusão de negócios que já se tinham iniciado no ano anterior. Por norma, as grandes empresas planeiam a sua implantação em novos países ou mesmo a sua expansão, com muito tempo de antecedência", assinalou a responsável da Predibisa para a área de Escritórios, Graça Ribeiro da Cunha.

A oferta de espaços para negócios vai continuar a crescer no Porto, sendo disso exemplo a construção do Porto Business Plaza, no Bonfim. O investimento privado é superior a 10 milhões de euros e os primeiros espaços, que registam muita procura, ficam prontos em janeiro de 2021.

A criação de condições para atrair empresas e investimento, e assim reforçar a centralidade do Porto ao nível metropolitano e nacional, é uma das linhas orientadoras do próximo Plano Diretor Municipal.