Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Água invadiu cidade
11-01-2016

Desde 2006 que a água não ultrapassava as margens do Douro, no Porto. Esta noite, cerca da uma hora da manhã, Miragaia começou a ser invadida e, pouco depois, era a Ribeira que se transformava em rio. (ESTA INFORMAÇÃO FOI ATUALIZADA ÀS 4,00 HORAS)


As águas, provenientes sobretudo dos afluentes do Douro, cujo caudal aumentou devido às chuvas persistentes dos últimos dias, entraram em algumas casas e estabelecimentos comerciais, mas não houve alarme, graças à informação prestada às populações e ao serviço de proteção civil, que auxiliou na retirada de bens e de viaturas.


No Centro de Previsão e Prevenção de Cheias, no Porto, desde cedo se começou a preparar a noite, com a presença dos presidentes das Câmaras de Porto, Gaia e Gondomar e a Secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, além das autoridades marítimas e terrestres. As previsões então traçadas e a gestão cuidada das descargas feitas pelas várias barragens no Douro permitiram minimizar os impactos. A noite, apesar de molhada, foi serena e sem incidentes de maior, no Porto.


O viaduto de Massarelos encontra-se encerrado por prevenção.


À hora em que esta notícia foi escrita (4 horas da manhã), no mar, a maré já baixava e o rio começava a ter outra capacidade de escoar os mais de seis mil metros cúbicos que a barragem de Crestuma/Lever chegou a debitar.


O Porto, que recorda catástrofes de outrora, quando as previsões eram ainda insípidas e os instrumentos de controlo do caudal não existiam, viveu uma noite de cheia, como não vivia há anos, mas ultrapassou-a com serenidade e, até, naturalidade e boa disposição.


Rui Moreira, o presidente da Câmara; o seu vereador da Proteção Civil, Sampaio Pimentel; os comandantes dos Bombeiros Sapadores e da Polícia Municipal e todos os funcionários municipais envolvidos na operação, não largaram as margens do Douro enquanto não perceberam que o rio, embora indomável, estava a conviver bem e transitoriamente, com o seu novo leito. Nem se foram embora sem deixar um gesto de carinho a quem mais sofre com os humores da natureza.