Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Agência do Ambiente muda de opinião e trava projetos para a ribeira de Aldoar e a nova ponte sobre o Douro
26-06-2019
A Agência Portuguesa do Ambiente "mudou de ideias ou enganou-se" e está agora a travar dois projetos anunciados nos últimos dois anos: a nova Ponte D. António Francisco dos Santos sobre o Rio Douro e o projeto de requalificação de uma zona da Avenida da Boavista que visa desentubar um troço da Ribeira de Aldoar.

A justificação foi apresentada à Assembleia Municipal pelo presidente da Câmara, Rui Moreira, na reunião de ontem à noite em que prestou aos deputados municipais a informação regular acerca da atividade do Município, bem como da situação financeira. 

A propósito da intervenção do deputado socialista Alfredo Fontinha, que interrogou sobre "duas obras que estão no papel", Rui Moreira explicou que ambas estão a ser atrasadas devido a entendimentos novos surgidos por parte dos técnicos da Agência Portuguesa do Ambiente (APA). 

Num dos casos, que levaria à requalificação de parte da faixa central da Avenida da Boavista, entre a Fonte da Moura e o Parque da Cidade, e permitiria não só desentubar a Ribeira de Aldoar - com efeitos positivos em termos ambientais e paisagísticos - mas também mitigar riscos de inundação, o presidente da Câmara recordou que o projeto da autoria de Rui Mealha foi alvo de candidatura ao POSEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos) e mereceu elogios, tanto da APA como do ministro do Ambiente, Matos Fernandes. Porém, quando estava pronto, "a APA mudou de ideias ou enganou-se e disse que não pode ser". 

A autarquia tratou então de encontrar solução e retomou o antigo projeto que os arquitetos Souto de Moura e Siza Vieira riscaram em 2003, quando se apontava para a criação de uma linha do Metro pela Boavista. Deverá ser esse a avançar agora, sem necessidade de lançar um novo, conforme sublinhou Rui Moreira.  

O autarca prosseguiu também em tom crítico face às mudanças de opinião dos técnicos daquela agência, frisando que a APA está a atrasar igualmente o projeto da nova ponte que ligará Porto e Gaia. De acordo com Rui Moreira, os estudos relativos ao projeto, que o próprio apresentou há cerca de um ano com o presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, indicavam a quota correta da nova ponte, "mas agora os técnicos da APA entendem que ali a água pode chegar muito mais alto e querem obrigar a ponte a subir". 

Ora, se do lado do Porto a questão não parece problemática, já em Gaia obrigaria a prolongar muito o tabuleiro pois a quota mantém-se baixa por uma grande extensão. Se assim for, "do lado de Gaia, a ponte nunca mais acaba...", comentou Rui Moreira, considerando "um pouco estranha esta convicção que a APA tem de que ali vai haver um dilúvio" e lembrando que a quota que estava prevista para a nova travessia é a mesma do tabuleiro inferior da Ponte Luiz I. 

Seja como for, uma garantia foi deixada pelo presidente da Câmara sobre a nova ponte, que estava orçada em 12 milhões de euros: "O Porto só paga meia ponte", pelo que, se houver lugar a prolongamento na outra margem, terá de ser Gaia a suportar o custo acrescido.