Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Aeroporto ultrapassa a marca dos 10 milhões de passageiros num ano com mais rotas e companhias
06-12-2017

Mais companhias, mais rotas, mais destinos. O Aeroporto Francisco Sá Carneiro tem crescido de forma progressiva e consistente, sem perder qualidade, razões por que ultrapassou, pela primeira vez, os 10 milhões de passageiros num só ano. Até final de 2017, o número de viajantes deverá chegar aos 10,7 milhões. A tendência é para continuar a crescer, com novas ligações ao mundo. Obras e investimentos em curso preparam-no para o futuro.


A marca dos 10 milhões, hoje celebrada, acontece num ano em que o Aeroporto do Porto conseguiu captar companhias como a Air Fance/KLM ou a Royal Maroc e levou outras a anunciar "grandes voos" para breve: em 2018, por exemplo, a região passa a estar ligada a Nova Iorque (United Airlines), Toronto (Air Canada), Malta ou Breslávia (Ryanair e Wizz Air). Também no próximo ano, é este o novo "hub" de ligação de destinos da Ryanair.

A acompanhar esta dinâmica, está a decorrer um projeto de expansão da infraestrutura. Está a ser criada uma nova área de controlo de segurança e novos investimentos se projetam em 2018, como é o caso do prolongamento do caminho de circulação Fox, intervenções na pista ou ampliações/melhorias de sistemas de bagagem ou check-in, entre outros.

Com este conjunto de investimentos em curso, importa que o aeroporto "continue a crescer". Sobretudo, importa "não haver intermitência no crescimento", tal como disse aos jornalistas, no final da cerimónia, o presidente da Câmara do Porto. "O que ouvimos em março e também hoje da VINCI dá-nos todas as razões para acreditar que vai continuar a crescer", com tudo a correr "naturalmente bem", disse Rui Moreira.



No pódio internacional

Conforme foi destacado por vários intervenientes na cerimónia de hoje, o Aeroporto do Porto é uma referência a nível internacional, quer em termos de estrutura quer de serviço. Foi, aliás, eleito o Melhor da Europa na categoria de 5 a 15 milhões de passageiros.
Como salientou Carlos Lacerda, presidente da ANA Aeroportos de Portugal, ao longo da última década o "Francisco Sá Carneiro" manteve-se "no lugares do pódio como melhor aeroporto europeu", sendo "sistematicamente reconhecido" pela sua qualidade. 

"É um aeroporto onde não temos problemas de capacidade instalada; está preparado para continuar a expandir-se" - salientou o responsável, assumindo da parte da ANA "uma obsessão de crescimento no Porto". Nesse sentido, informou que está a ser lançado "um novo sistema de incentivos" a companhias aéreas.
"O Porto é importante para nós não só do ponto de vista turístico, mas principalmente pelo seu músculo económico", realçou ainda Carlos Lacerda. 

Na sua intervenção, o presidente da Câmara do Porto afirmou "o enorme impacto" do aeroporto no crescimento e na afirmação da região, "fundamental" para o desenvolvimento económico. É, aliás, uma infraestrutura com "impacto grande em todo o Noroeste peninsular".
Porque "é bom não termos memória curta", Rui Moreira aproveitou para lembrar tempos em que o projeto do Aeroporto do Porto teve resistências por ser "considerado faraónico". O facto é que valeu a pena: atualmente, "temos o melhor aeroporto do país".

Com tudo isto, o Aeroporto do Porto "regista um crescimento superior à média europeia e mundial" - salientou por seu turno o secretário de Estado das Infraestruturas. Guilherme W. d'Oliveira Martins elencou os "grandes investimentos" em curso ou programados, como "o concurso que a ANA vai lançar em 2018 para a pista de circulação Fox", e manifestou a intenção em se "continuar a melhorar a conetividade territorial e a competitividade económica. Queremos contribuir para a dinâmica positiva da região".
Neste contexto, anunciou a vontade do Governo de ver a TAP aumentar a sua expressão no Norte. "Estamos a trabalhar para que seja possível em 2018 a operação de novas rotas da TAP a partir do Porto, incluindo a reativação de algumas que no passado foram desativadas", disse o secretário de Estado.