Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Adão da Fonseca vencedor de prémio mundial em Engenharia Civil
01-10-2018
O professor aposentado Adão da Fonseca, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), venceu o prémio de excelência do Conselho Mundial dos Engenheiros Civis (WCCE), "em reconhecimento pela relevância dos seus projetos".

O anúncio oficial foi feito durante a 13.ª Assembleia Geral do WCCE, que decorreu em setembro na Bolívia, tendo a candidatura apresentada pela Ordem dos Engenheiros de Portugal, sido "o reconhecimento mundial da engenharia portuguesa", referiu a Universidade do Porto na sua página de notícias.

Adão da Fonseca é descrito como "um dos mais reconhecidos engenheiros civis portugueses" e são também destacados os projetos que liderou, como a "Ponte Infante Dom Henrique no Porto, a Ponte Pedro e Inês em Coimbra e o Pavilhão do Conhecimento em Lisboa".

O "Excellence Award for Civil Engineering" surgiu pela primeira vez em 2010 e é atribuído de dois em dois anos "a personalidades que se distingam pelas contribuições no campo teórico prático e público" e vai ser entregue a Adão da Fonseca na próxima Assembleia Geral do WCCE, em setembro do próximo ano, em Lisboa.

Recorde-se que a localização da nova ponte entre o Porto e Vila Nova de Gaia já tinha sido proposta num estudo realizado por Adão da Fonseca, há vários anos. Aquele local, à cota baixa (na zona de Oliveira do Douro, entre as pontes São João e do Freixo), foi indicado pelo engenheiro como o melhor para a construção desta infraestrutura.

Com um percurso académico desde sempre ligado à FEUP, chegou ao topo da carreira como professor catedrático, tendo sido responsável pela Secção de Estruturas do Departamento de Engenharia Civil. Foi presidente nacional do Colégio de Engenharia Civil da Ordem dos Engenheiros no triénio 1995-1998, presidente do ECCE - European Council of Civil Engineers no quadriénio 1998-2002 e membro do Conselho Consultivo do Instituto Português do Património Arquitectónico em 2004 e 2005.