Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

Abriu hoje o concurso para o projeto do Terminal Intermodal de Campanhã
02-08-2016

A Câmara do Porto lançou hoje o concurso de conceção para a elaboração do projeto do Terminal Intermodal de Campanhã. O objetivo é dotar a zona de Campanhã de uma plataforma que abranja os autocarros da STCP e dos operadores privados, comboios urbanos e de longo curso, metro e táxis, aproveitando a localização que possui através das acessibilidades rodoviárias como a Via de Cintura Interna (VCI) e das autoestradas circundantes (A1, A3 e A4).


O projeto inclui a construção de novas vias de acesso e lugares para estacionamento e ajudará a retirar tráfego da Rua do Freixo. O Interface irá constituir um dos principais nós da rede de transporte público, enquanto interface estratégico de um anel de contorno da cidade do Porto, funcionando em articulação com o interface da Casa da Música e o futuro interface do Hospital de S. João.


As propostas deverão ser entregues até ao final do mês de setembro na plataforma especialmente construída pela empresa municipal de Gestão de Obras Públicas (GOP) - http://www.gopcmp-em.pt/terminal-intermodal-campanha -, que gere o processo, decorrendo, à posteriori, mais duas fases até à entrega final do projeto, num período que durará, aproximadamente, cinco meses. A estimativa geral da obra não deverá ultrapassar o limite de 6,4 milhões de euros.


O concurso irá atribuir prémios aos três primeiros classificados no valores de, respetivamente, 12.500 euros, 10 mil euros e 7.500 euros. Todas as soluções apresentadas e consideradas meritosas pelo júri poderão ser publicadas e divulgadas.


Recorde-se que o programa preliminar do futuro terminal apresentado pelo Município aponta a conclusão da obra para o primeiro trimestre de 2019.


O Terminal Intermodal de Campanhã é um projeto da autarquia que está no papel há mais de uma década e que foi desbloqueado em junho de 2015, por Rui Moreira, com a assinatura do "Acordo do Porto", entre o Governo liderado por Passos Coelho e a Câmara e, entretanto, já confirmado pelo atual governo.