Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

"Rui Moreira tem feito a luta pela autonomia municipal"
11-12-2016

Um mapa numa das paredes do gabinete da presidência da Câmara do Porto levou ontem Fernando Gomes a regressar a uma sala que já foi a sua, onde falou perante uma audiência com mais de 100 pessoas. O ex-presidente  da autarquia portuense participou na última sessão do ano do programa "Um Objeto e Seus Discursos" e deixou um elogio ao actual autarca do Porto, revelando que, após ter deixado a presidência apenas tinha voltado a entrar nele por uma vez, para falar com Rui Moreira, que elogiou.


Na sessão, em que também participaram Rui Moreira e o geógrafo Rio Fernandes, Fernando Gomes dedicou a sua intervenção ao planeamento da cidade, chamando a atenção para a evolução que a cidade tem ultrapassado: "O planeamento exige resposta, ou seja obra", afirmou o ex-presidente que, no seu tempo, foi um dos responsáveis pelo lançamento da rede de Metro do Porto. Referindo-se à actual presidência de Rui Moreira, Fernando Gomes mostrou-se tranquilo: "Felizmente a situação é claramente diferente do que foi outrora. Temos um presidente que percebe a região e que tem a noção do que é importante para o papel do Porto enquanto núcleo central de uma vastíssima região. Por isso, a única luta ainda a fazer é pela exigência dos meios adequados à autonomia municipal", disse, acrescentando que " isso ele tem feito".


O ex-autarca foi mais longe, aconselhando Rui Moreira a fazer pela cidade o que tem que fazer e a mudar o que tiver que mudar, mesmo que haja vozes contrárias e "por mais importantes que sejam".


Já Rio Fernandes, admitiu que o Porto é hoje muito mais do que as suas fronteiras administrativas. "Para mim a cidade é o Porto e os municípios à volta. Não é possível chamar a Gaia e Matosinhos periferia.", avançou


Rui Moreira, que apresentou o mapa que diariamente o acompanha no seu gabinete, lembrou que "as pessoas estão a voltar ao centro da cidade. Há cinco anos não encontraríamos este número de pessoas na baixa", assegurando que "não são turistas, pois nem temos muitos turistas nesta altura na cidade". Rui Moreira lembrou também que existem hoje "muitas dificuldades para encontrar recursos para fazer obra pública", dando como exemplo a necessidade da "expansão da metro do Porto".


Sobre o que é preciso fazer na cidade, Rui Moreira lembrou que se vivem hoje "tempos de hiperprotecção" para dizer que não se pode querer que tudo fique igual e dando como exemplo a Ponte Luís I: "o arquitecto Rui Loza disse, há dias, que se hoje quiséssemos construir a ponte não nos deixariam, pois seria necessário deitar abaixo umas casas na Sé".


No final, Rui Moreira garantiu que o programa "Um Objecto e Seus Discursos" regressará em 2017.