Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

A cidade fez hoje a homenagem mais justa a Sophia de Mello Breyner
02-09-2017
A ideia de que Sophia de Mello Breyner Andresen é sinónimo de poesia perpassou na tarde de hoje a Feira do Livro do Porto, onde a Alameda dos Escritores tem agora uma tília dedicada à poeta, contista, tradutora e humanista. A sessão foi participada pelo ministro da Cultura, o presidente da Câmara, Miguel e Martim Sousa Tavares, filho e neto da homenageada.

Milhares de pessoas procuraram hoje os Jardins do Palácio de Cristal e a Avenida das Tílias / Alameda dos Escritores, onde a Feira do Livro ofereceu variadas atividades educativas e de animação, além de ter conhecido provavelmente o momento mais alto desta edição com a cerimónia de homenagem a Sophia de Mello Breyner.

A sessão foi realizada ao ar livre pois, cumprindo o que se torna tradição, uma jovem tília foi atribuída à autora portuense, que faz agora parte do restrito conjunto de grandes vultos literários da cidade com essa distinção, onde figuravam já Vasco Graça-Moura, Agustina Bessa-Luís e Mário Cláudio.



O preito é tão mais devido quanto "homenagear Sophia é homenagear a poesia", considerou o ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes - também ele poeta - sublinhando que "foi uma grande mulher que nasceu no Porto e se tornou universal". Ou, como diria Rui Moreira, "as palavras, na pena de certos autores, conseguem essa proeza de nos fazerem reconhecer como seres sociais e aprender a praticar as ligações". É por isso que Sophia de Mello Breyner é um "desses autores, da nossa cidade, que procuramos homenagear na nossa Feira do Livro".

Convidado para o ato, o neto mais jovem da poeta leu "Reza da manhã de Maio" e evocou as fortes ligações de Sophia aos elementos da natureza e, também de forma muito estreita, aos Jardins do Palácio de Cristal, razão por que o presidente da Câmara afirmou que atribuir a Sophia uma árvore é "de todas, a homenagem mais justa".
Coube depois a Miguel Sousa Tavares descerrar a placa onde se eternizam as palavras de sua mãe: "A terra o sol o vento o mar São minha biografia e são meu rosto".

A Feira do Livro decorre até 17 de setembro e tem dezenas de propostas de acesso livre, que estão organizadas num vasto programa paralelo cujos pormenores pode conhecer aqui ou acompanhar através do facebook.