Este website usa cookies. Ao continuar a navegar no nosso website está a consentir a utilização de cookies. Aceitar
o portal de notícias do Porto.

Destaques

A Casa do FC Porto de Luanda promove ciclo de quatro conferências
04-09-2019

O desporto e a ligação de Portugal e Angola dão o mote para a abertura de um ciclo de quatro conferências, promovido no âmbito da iniciativa "A Casa de Luanda no Porto". A sessão acontece já nesta quinta-feira, dia 5, às 21,30 horas, no Museu do Futebol Clube do Porto.


Nesta primeira conferência, subordinada ao tema "O Desporto e a ligação Angola/Portugal", são convidados Bernardino Pedroto, que falará da sua experiência por terras angolanas entre 2001 e 2015; o ex-jogador do FC Porto Fernando Freitas, nascido no Lobito (Angola), que foi um dos principais jogadores no onze titular do ex-treinador José Maria Pedroto, vencedor dois campeonatos nacionais em 1977/78 e 1978/79.

Completam o painel de oradores Manuel Botelho, da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto FADEUP, que integra no seu currículo uma passagem pela coordenação de um curso da Universidade Metodista de Angola, e Cátia Rocha, psicóloga clínica que tem desenvolvido o seu trabalho na área da saúde mental e psicoterapia, tendo, na Academia de Futebol de Angola, criado e coordenado, desde 2014, a área psicopedagógica e social para o universo da formação futebolística juvenil.

O jornalista Júlio Magalhães e o historiador Joel Cleto são os moderadores deste ciclo de conferências, subordinadas a temas transversais aos conteúdos da exposição "A Casa de Luanda no Porto", inaugurada a 23 de agosto.

Em setembro haverá ainda uma segunda conferência que vai olhar para a história da longa relação entre Porto e Luanda. Em outubro, relações económicas e investimento, bem como a música e a literatura completam o painel de debates, ainda com datas a definir.

As conversas decorrem no Auditório Fernando Sardoeira Pinto, no interior do Museu do FC Porto.

Já a exposição, que inclui pintura, escultura, literatura, fotografia e moda angolanas, fica patente no Museu até 31 de outubro, com entrada livre.