Centro Histórico abre-se a visita pela história moderna da reabilitação urbana
A renovação da vida do Centro Histórico do Porto desde há 50 anos é o tema do último Percurso Cultural do ano, que se realiza nesta sexta-feira e tem particular foco nas intervenções de reabilitação urbana.
Centro Histórico abre-se a visita pela história moderna da reabilitação urbana
A renovação da vida do Centro Histórico do Porto desde há 50 anos é o tema do último Percurso Cultural do ano, que se realiza nesta sexta-feira e tem particular foco nas intervenções de reabilitação urbana.
A renovação da vida do Centro Histórico do Porto desde há 50 anos é o tema do último Percurso Cultural do ano, que se realiza nesta sexta-feira e tem particular foco nas intervenções de reabilitação urbana.

Com início às 14,30 horas no Terreiro da Sé, esta ação é orientada pelo arquiteto municipal António Moura, que esteve ligado à declaração do Porto como Património da Humanidade, sendo por isso uma oportunidade de descobrir com um profundo conhecedor alguns dos segredos da zona onde a cidade nasceu.

É particularmente no Centro Histórico que se concentram muitas das ruas e praças que fazem parte do imaginário portuense e que singularizam a imagem urbana do Porto, com as suas joias arquitetónicas e os segredos escondidos no recato dos espaços interiores.
Mas a vida da Invicta faz-se também pelo equilíbrio entre renovação e reabilitação urbana, tendo o Porto sido, aliás, precursor da Reabilitação Urbana em Portugal, nos anos 70 do século XX.

Por isso, esta visita pormenorizada contemplará as primeiras e também as atuais intervenções em edifícios e no espaço público, onde se continua a guardar a História da cidade ao mesmo tempo que se escrevem novos capítulos.

A participação neste Percurso Cultural tem um custo de 3 euros e o bilhete pode ser adquirido online.
Mais informações através do email percursos.culturais@cm-porto.pt ou do telefone 223 393 480.
Porto Ponto. Diário.
Hard Club celebra 20 anos com três dias de concertos
O Hard Club abriu portas pela primeira vez a 18 de dezembro de 1997, num espaço em Vila Nova de Gaia, antes de atravessar o rio Douro e se mudar para o Mercado Ferreira Borges, no Porto, em setembro de 2010. Para celebrar duas décadas de atividade, começa já hoje a festejar com os fãs uma história ímpar dedicada à música.
Hard Club celebra 20 anos com três dias de concertos
O Hard Club abriu portas pela primeira vez a 18 de dezembro de 1997, num espaço em Vila Nova de Gaia, antes de atravessar o rio Douro e se mudar para o Mercado Ferreira Borges, no Porto, em setembro de 2010. Para celebrar duas décadas de atividade, começa já hoje a festejar com os fãs uma história ímpar dedicada à música.
O Hard Club abriu portas pela primeira vez a 18 de dezembro de 1997, num espaço em Vila Nova de Gaia, antes de atravessar o rio Douro e se mudar para o Mercado Ferreira Borges, no Porto, em setembro de 2010. Para celebrar duas décadas de atividade, vai festejar com os fãs uma história ímpar dedicada à música.

O programa de comemorações arranca já hoje, às 22 horas, com uma noite que terá Manuel Cruz como cabeça-de-cartaz e que conta ainda com O Bom, O Mau e o Azevedo e com o regresso das Rubber Sessions.

No segundo dia, sábado, o destaque vai para o coletivo Orelha Negra, que atua às 21 horas. Num dia virado para hip-hop, será ainda possível ouvir a dupla Ermo e o Conjunto Corona.

No domingo, dia 17, é vez da banda punk Patrulha do Purgatório subir ao palco, pelas 15 horas, depois da exibição do documentário "Enterrado na Loucura: Punk em Portugal 78-88", de Hugo Conim e Miguel Newton.
O programa do último dia conta ainda com uma sessão de conversa e concerto, às 21,30 horas, intitulada "Conta-me Histórias" e com a banda portuense Zen, que em 2000 editou um disco ao vivo gravado no antigo Hard Club.

Os bilhetes para os primeiros dois dias podem ser adquiridos na Ticket Line por 15 euros/dia. No domingo, o acesso é gratuito.
O programa das comemorações inclui ainda duas exposições de fotografia no átrio do Hard Club.
Porto Ponto. Diário.
Pistas de gelo esperam famílias pela noite dentro
A animação de Natal no Porto começa a ter também já como tradição as pistas de gelo para toda a família. Na Baixa e na Boavista, há duas estruturas à espera dos mais experimentados, mas também dos corajosos que se atrevem a tentar uma nova aventura e a descobrir diversão alternativa.
Pistas de gelo esperam famílias pela noite dentro
A animação de Natal no Porto começa a ter também já como tradição as pistas de gelo para toda a família. Na Baixa e na Boavista, há duas estruturas à espera dos mais experimentados, mas também dos corajosos que se atrevem a tentar uma nova aventura e a descobrir diversão alternativa.
A animação de Natal no Porto começa a ter também já como tradição as pistas de gelo para toda a família. Na Baixa e na Boavista, há duas estruturas à espera dos mais experimentados, mas também dos corajosos que se atrevem a tentar uma nova aventura e a descobrir diversão alternativa.

Disponíveis até 7 de janeiro, as duas pistas de gelo natural estão em funcionamento na cidade: uma delas está situada na Rotunda da Boavista (inserida na Praça da Fantasia) e a outra está na Praça de D. João I, bem próximo da Árvore de Natal gigante instalada frente à Câmara do Porto.

Tal como tem sido tradição nos últimos anos no Natal portuense, miúdos e graúdos vão poder dar largas à imaginação, salpicando-se de neve e arriscando umas piruetas, mesmo ao serão.

Horários de funcionamento:
- Pista de gelo natural da Praça de D. João I
De domingo a quinta-feira - 09h30/23h00
Sextas, sábados e vésperas de feriado - 10h30/01h00
24 de dezembro - 10h00/18h00
25 de dezembro - 15h00/19h00
31 de dezembro - 10h00/02h00
1 de janeiro - 10h00/02h00

- Pista de gelo natural da Praça da Fantasia (Rotunda da Boavista)
De segunda a sexta-feira - 10h00/22h00
Sábados, domingos e feriados - 10h00/23h00
24 e 31 de dezembro - 10h00/16h00
25 de dezembro e 1 de janeiro - 14h30/19h00

Preçário:
€3,5 para um período de utilização de 20 minutos
€6 para um período de utilização de uma hora.
Porto Ponto. Diário.
Último Porto Best Of do ano mostrou que a música eletrónica continua viva
Foi com o retorno ao palco dos projetos Repórter Estrábico, Holy Nothing e Mirror People que o ciclo Porto Best Of realizou o seu último espetáculo de 2017, na noite passada, no Rivoli.
Último Porto Best Of do ano mostrou que a música eletrónica continua viva
Foi com o retorno ao palco dos projetos Repórter Estrábico, Holy Nothing e Mirror People que o ciclo Porto Best Of realizou o seu último espetáculo de 2017, na noite passada, no Rivoli.
Foi com o retorno ao palco dos projetos Repórter Estrábico, Holy Nothing e Mirror People que o ciclo Porto Best Of realizou o seu último espetáculo de 2017, na noite passada, no Rivoli. 

Esta temporada promovida pela Câmara do Porto e com curadoria de Miguel Guedes (líder dos Blind Zero) provou, assim, que a música eletrónica continua viva, designadamente a feita no Porto, já que foram reinterpretados temas mais antigos e evidenciadas as direções que
cada uma das bandas segue na atualidade.

Muito mais do que revivalismo, o Porto Best Of tem vindo a promover a revisitação dos trabalhos mais emblemáticos de cada banda convidada, dedicando os diferentes espetáculos a diversos estilos e tendências musicais.

Assim, além das três bandas que ontem mostraram a música eletrónica feita na cidade, o ciclo apresentou neste ano concertos de Três Tristes Tigres, Old Jerusalem e Dan Riverman numa noite dedicada à palavra; as cadências rítmicas dos Jafumega e Marta Ren & The Groovelvets; e Clã e Best Youth na noite da pop.

Em 2016, o Porto Best Of trouxera já de volta os GNR e os Lobo, pondo o foco na pop; Dealema e Capicua, na noite hip-hop; Tarântula, Equaleft e Redemptus, a lembrar as raízes do metal da cidade; e Expensive Soul e Cru, na noite soul e funk.
Porto Ponto. Diário.
Universitários ajudam Ambiente do Porto com Orçamento Participativo
Estudantes da Universidade do Porto estão a concorrer com um projeto da área ambiental ao Orçamento Participativo Jovem.
Universitários ajudam Ambiente do Porto com Orçamento Participativo
Estudantes da Universidade do Porto estão a concorrer com um projeto da área ambiental ao Orçamento Participativo Jovem.
Estudantes da Universidade do Porto estão a concorrer com um projeto da área ambiental ao Orçamento Participativo Jovem.

A VO.U - Associação de Voluntariado Universitário está a concorrer com o projeto 160 ao Orçamento Participativo Jovem 2017 para obtenção de financiamento no âmbito desta iniciativa governamental, cuja votação decorre até dia 22 de dezembro.

Denominado de GreenSCope - Sustentabilidade na Cidade do Porto e com um orçamento proposto de 20 mil euros, o projeto apela ao crescimento de uma comunidade mais consciente do impacto que o estilo de vida tem na preservação do ambiente, sugerindo alternativas mais sustentáveis para os indivíduos e para a cidade.

Segundo a proposta dos estudantes, os principais agentes dessa sensibilização seriam voluntários universitários das várias unidades orgânicas da Universidade do Porto que, acompanhados por entidades parceiras, iriam atuar, num primeiro nível, na U.Porto, procurando estabelecer uma crescente proximidade com a população e espaços da Área Metropolitana do Porto.

Todos os jovens, entre os 14 e os 30 anos, podem escolher os projetos que consideram ser merecedores de financiamento e votar no seu preferido enviando uma SMS gratuita para 4310 com o número do projeto, espaço e número do respetivo cartão de cidadão ou no site da iniciativa.
Porto Ponto. Diário.
Azulejos da Biblioteca Pública Municipal reunidos em livro de aguarelas
Um livro de aguarelas dedicado aos azulejos que revestem - e são um dos ícones - da Biblioteca Pública Municipal do Porto é apresentado neste sábado, na própria Biblioteca.
Azulejos da Biblioteca Pública Municipal reunidos em livro de aguarelas
Um livro de aguarelas dedicado aos azulejos que revestem - e são um dos ícones - da Biblioteca Pública Municipal do Porto é apresentado neste sábado, na própria Biblioteca.
Um livro de aguarelas dedicado aos azulejos que revestem - e são um dos ícones - da Biblioteca Pública Municipal do Porto (BPMP) é apresentado neste sábado, na própria Biblioteca. 

"AGUARELAS dos painéis de Azulejos da Biblioteca Pública Municipal do Porto" tem autoria do artista plástico Filipe Mariares e o apoio da Câmara do Porto.

A sessão, de acesso livre, realiza-se pelas 16 horas no auditório da BPMP (ao Jardim de São Lázaro/Rua de D. João IV).

Porto Ponto. Diário.
Porto Business School sobe entre as melhores escolas de negócios da Europa
A Porto Business School viu confirmada e até melhorada a sua posição na lista das melhores escolas de negócios da Europa, segundo o Financial Times.
Porto Business School sobe entre as melhores escolas de negócios da Europa
A Porto Business School viu confirmada e até melhorada a sua posição na lista das melhores escolas de negócios da Europa, segundo o Financial Times.

A Porto Business School viu confirmada e até melhorada a sua posição na lista das melhores escolas de negócios da Europa, segundo o Financial Times.


Pelo sexto ano consecutivo, a escola de negócios da Universidade do Porto garantiu a presença entre as congéneres europeias, de acordo com o mais recente "European Business Schools Rankings". A Porto Business School é mesmo a única escola portuguesa a subir na tabela, vendo a sua classificação melhorar três posições em relação ao ano anterior e ocupando agora o 59.º lugar. 


No ranking publicado neste mês, que avalia as escolas de negócios em cinco categorias - Mestrados em Gestão, MBA full-time, MBA Executivo, Formação para Executivos Aberta e Formação para Executivos Customizada (programas criados à medida das necessidades das empresas) - o MBA Executivo da Porto Business School alcança a 55.ª posição na sua categoria.

No que diz respeito à categoria "Executive Education", os programas "Open Executive Education" e "Custom Executive Education" da Porto Business School ocupam os 33.º e 34.º lugares, respetivamente.

Porto Ponto. Diário.
Partilhado com sucesso