Prova de cicloturismo percorre as margens do Douro no próximo domingo
No próximo domingo, 22 de outubro, as bicicletas estão de volta às margens do rio Douro para a segunda edição do Porto Granfondo, uma prova de cicloturismo, inscrita no calendário da Federação Portuguesa de Ciclismo, que se realiza em estrada aberta.
Prova de cicloturismo percorre as margens do Douro no próximo domingo
No próximo domingo, 22 de outubro, as bicicletas estão de volta às margens do rio Douro para a segunda edição do Porto Granfondo, uma prova de cicloturismo, inscrita no calendário da Federação Portuguesa de Ciclismo, que se realiza em estrada aberta.

No próximo domingo, 22 de outubro, as bicicletas estão de volta às margens do rio Douro para a segunda edição do Porto Granfondo, uma prova de cicloturismo, inscrita no calendário da Federação Portuguesa de Ciclismo, que se realiza em estrada aberta.


A partida está marcada para as 9 horas de domingo, na Avenida de Gustavo Eiffel, junto à Ponte do Infante, sendo que os participantes podem optar por duas distâncias: os 133 km do Granfondo ou os 67 km do Mediofondo. Em ambos os casos, é obrigatório o uso de capacete devidamente homologado.


Tal como na edição de estreia, que reuniu 2600 participantes, o traçado é realizado maioritariamente junto às margens do rio Douro, percorrendo os concelhos do Porto (início e final da prova), Vila Nova de Gaia, Santa Maria da Feira, Arouca, Castelo de Paiva, Penafiel, Paredes e Gondomar. A participação é limitada a veículos de duas rodas (bicicleta de estrada, de montanha ou tandem).


Ao longo do percurso, haverá abastecimentos de sólidos e de líquidos, assim como assistência médica e mecânica. Devido à realização da prova, será necessário proceder a alguns condicionamentos de trânsito durante o dia.


Este ano, o dorsal número 1 da prova organizada pela Bikeservice será entregue a Fernando Pimenta, campeão mundial de canoagem. As inscrições encerram oficialmente às 23,59 horas do dia 20 de outubro.

 

+Info: Porto Granfondo

Porto Ponto. Diário.
Viagem virtual à vida e obra dos pintores naturalistas
O Percurso Cultural desta quinta-feira, dia 19, sugere uma visita pelo universo da pintura naturalista, de Silva Porto a Acácio Lino passando por Malhoa.
Viagem virtual à vida e obra dos pintores naturalistas
O Percurso Cultural desta quinta-feira, dia 19, sugere uma visita pelo universo da pintura naturalista, de Silva Porto a Acácio Lino passando por Malhoa.

O Percurso Cultural desta quinta-feira, dia 19, sugere uma visita pelo universo da pintura naturalista, de Silva Porto a Acácio Lino passando por Malhoa.

 

Na remodelada Casa-Museu Marta Ortigão Sampaio, existe um legado da corrente naturalista que inclui pintores como Silva Porto, Marques de Oliveira, Souza Pinto, Roque Gameiro, António Costa, Malhoa, Alberto de Souza e Acácio Lino, entre outros.

 

Neste percurso virtual, às 15 horas de amanhã, vamos relembrar alguns deles e descobrir como eram os seus ateliês, aspetos das suas vivências e das suas obras, numa interação com o contexto da época.

 

A participação tem um custo de 3 euros e o bilhete pode ser adquirido online.

 

Mais informações através do email percursos.culturais@cm-porto.pt ou do telefone 223 393 480.

 

Saiba o que a programação de percursos culturais reserva ainda para este quarto trimestre clicando aqui.

 

Pode, ainda, experimentar uma pequena viagem virtual na Casa-Museu Marta Ortigão Sampaio se clicar aqui.

Porto Ponto. Diário.
Porto de Leixões registou crescimento de 42% no número de passageiros
O Porto de Leixões registou, nos primeiros nove meses do ano, um crescimento de 42% no número de passageiros, quando comparado com período homólogo do ano passado, indicou hoje a entidade portuária que gere esta infraestrutura.
Porto de Leixões registou crescimento de 42% no número de passageiros
O Porto de Leixões registou, nos primeiros nove meses do ano, um crescimento de 42% no número de passageiros, quando comparado com período homólogo do ano passado, indicou hoje a entidade portuária que gere esta infraestrutura.

O Porto de Leixões registou, nos primeiros nove meses do ano, um crescimento de 42% no número de passageiros, quando comparado com período homólogo do ano passado, indicou hoje a entidade portuária que gere esta infraestrutura, conforme avança a agência Lusa.


Em comunicado, Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) aponta que até setembro foram contabilizados 83.120 passageiros e 83 escalas, contra os 58.449 passageiros e 68 escalas contabilizadas em igual período de 2016, "fazendo de 2017 o melhor ano de sempre para a atividade em Leixões".


Na prática o crescimento é de 42% no número de passageiros e de 22% no número de escalas de navios de cruzeiro.


De acordo com a entidade portuária, o Terminal de Cruzeiros recebeu 38 escalas e cerca de 68.000 passageiros e a Estação de Passageiros de Leça da Palmeira recebeu 45 escalas e quase 15.000 passageiros.


"O Reino Unido continua a ser o grande mercado de origem dos passageiros que visitam o Porto e o Norte de Portugal através de Leixões, seguidos pelo mercado alemão e pelo mercado norte-americano", lê-se na nota.


A APDL tem expectativa de, até ao final do ano, receberem mais 17 escalas de navios de cruzeiro e mais cerca de 17.000 passageiros, perfazendo um total de 100 escalas e cerca de 100.000 passageiros.

Porto Ponto. Diário.
Bea World Festival traz ao Porto em novembro as maiores agências e os melhores eventos do mundo
Mais de 500 representantes da indústria de eventos, oriundos de dezenas de países, participam no Bea World Festival 2017, que se realiza no Porto de 15 a 18 de novembro. Após onze edições circunscritas à Europa, a iniciativa passou este ano a ter dimensão global, com projetos dos vários continentes a concorrerem aos Bea World Awards.
Bea World Festival traz ao Porto em novembro as maiores agências e os melhores eventos do mundo
Mais de 500 representantes da indústria de eventos, oriundos de dezenas de países, participam no Bea World Festival 2017, que se realiza no Porto de 15 a 18 de novembro. Após onze edições circunscritas à Europa, a iniciativa passou este ano a ter dimensão global, com projetos dos vários continentes a concorrerem aos Bea World Awards.

Mais de 500 representantes da indústria de eventos, oriundos de dezenas de países, participam no Bea World Festival 2017, que se realiza no Porto de 15 a 18 de novembro. Após onze edições circunscritas à Europa, a iniciativa passou este ano a ter dimensão global, com projetos dos vários continentes a concorrerem aos prémios Bea (Best Events Awards) World.


A região e o país estão hoje no "centro da atenção internacional", o que justifica a realização no Porto da 12.ª edição do festival, a primeira de nível mundial, assinalou hoje no Rivoli o CEO do ADC Group, empresa italiana fundadora do conceito. Salvatore Sagone realçou também o peso das boas relações interpessoais e institucionais, desde os primeiros contactos, na escolha da cidade anfitriã.


O Bea World "foi conseguido para Portugal e para o Porto no ano passado", em São Petersburgo - contou, por seu turno, Rui Moreira. Com a iniciativa, o país pode mostrar o que tem de bom, mas também atrair os maiores numa área de negócio "particularmente importante", com grandes eventos "sponsorizados pelas melhores marcas do mundo".


"Quando trazemos este tipo de organização para o Porto, abrimos a cortina e mostramos o que a cidade tem de melhor e a nossa capacidade de organização", disse o autarca na apresentação do festival. Como salientou, a cidade estará "debaixo do olhar atento" de muitas pessoas, agências e empresas.




Nesta edição, o Bea World é coorganizado pela APECATE - Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos. Também para o seu presidente, António Marques Vidal, o festival - que acontecerá em vários palcos e reserva o quarto dia à animação turística - é uma oportunidade de promoção do Porto. "Vamos ter cá as melhores agências de eventos mundiais; temos de mostrar que o a cidade e a região valem". Hoje, lembrou, "não podemos pensar os eventos sem esta dimensão vivencial. As decisões passam muito pelo que vivemos, pelas emoções, e nós desejamos que os participantes percebam o potencial do Porto e voltem para realizar aqui os seus eventos".


O encontro de quatro dias ficará marcado pela entrega dos Bea World Awards. São várias as categorias a concurso, sendo que este ano existem oito projetos portugueses finalistas. À edição 2017 concorreu um número recorde de eventos/agências, cerca de 700. António Marques Vidal refere que o alargamento ao mundo significou mais participantes, mais candidaturas. Qatar, China, Brasil ou EUA foram países que entraram no mapa de um festival que associa criatividade e negócio.




Porto Ponto. Diário.
Ciência mistura-se com o público em bar da cidade
Já imaginou ir a um bar para tomar um copo com os amigos e ficar a conhecer projetos de investigação científica? Esta é a proposta do Pinguim Café para o serão de 26 de outubro.
Ciência mistura-se com o público em bar da cidade
Já imaginou ir a um bar para tomar um copo com os amigos e ficar a conhecer projetos de investigação científica? Esta é a proposta do Pinguim Café para o serão de 26 de outubro.

Já imaginou ir a um bar para tomar um copo com os amigos e ficar a conhecer projetos de investigação científica? Esta é a proposta do Pinguim Café, um bar do Porto - situado na Rua de Belmonte, 65 - para o serão de 26 de outubro. A partir das 21,30 horas o estabelecimento acolhe o PubhD Porto, onde vão ser apresentados três projetos de investigação em áreas tão diferentes como o cancro, a microbiologia e os estudos literários.


O PubhD (pub de bar e PhD de doutoramento) é um movimento internacional de divulgação da ciência que surgiu em Nottingham, na Grã-Bretanha (2014) e chegou ao Porto por iniciativa de três investigadores de instituições universitárias da cidade, Filipa Ribeiro, Nuno Francisco e Ricardo Ferraz, em janeiro de 2017. O objetivo é simples: dar voz à investigação dos jovens cientistas e divulgar, de forma criativa e informal, a investigação científica mais recente.


No dia 26 vão estar presentes três investigadores a trabalhar na cidade. Luísa Ferreira é doutoranda em Biologia Celular, no Instituto de Investigação em Saúde (i3S), e estuda processos celulares que poderão ter futuras implicações no uso de novas drogas modeladoras que visam travar a proliferação de células cancerígenas.


Lucinda Bessa, investigadora no Requimte, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, trabalha num projeto de caracterização de bactérias resistentes aos antibióticos. A cientista pretende isolar bactérias de várias fontes (água, alimentos, superfícies, pessoas, animais) e caracterizá-las, com o objetivo de procurar novos antibióticos.


O terceiro orador pertence à área dos Estudos Literários. João Paulo Guimarães, investigador na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e da Universidade de Turku, irá falar da forma como a poesia de autores vanguardistas de terceira idade faz repensar noções de inovação e envelhecimento.


O PubhD Porto tem uma frequência mensal, acontecendo sempre na última quinta-feira de cada mês, no Pinguim Café.

 

+Info: Facebook do evento

Porto Ponto. Diário.
Barraqueiro vence a subconcessão da Metro do Porto por sete anos
A Barraqueiro SGPS venceu o concurso público para a subconcessão da Metro do Porto por sete anos, apresentando a "melhor proposta" para garantir a operação e manutenção do sistema por sete anos, no valor de 204 milhões de euros.
Barraqueiro vence a subconcessão da Metro do Porto por sete anos
A Barraqueiro SGPS venceu o concurso público para a subconcessão da Metro do Porto por sete anos, apresentando a "melhor proposta" para garantir a operação e manutenção do sistema por sete anos, no valor de 204 milhões de euros.

A Barraqueiro SGPS venceu o concurso para a subconcessão da Metro do Porto por sete anos, apresentando a "melhor proposta" para garantir a operação e manutenção do sistema por sete anos, no valor de 204 milhões de euros.


Em comunicado hoje divulgado, a Metro do Porto revela que o Conselho de Administração da Metro recebeu hoje o relatório preliminar do júri, liderado pela Unidade Técnica de Acompanhamento de Projetos (UTAP) e anuncia que "o vencedor do concurso é a Barraqueiro SGPS, uma vez que apresentou a proposta com o mais baixo valor", o único critério de seleção entre os concorrentes.


"O preço da proposta da Barraqueiro SGPS é de 204.339.874,99 € (204,3 milhões de euros). Valor substancialmente inferior (-7,5%) ao preço de referência fixado para o concurso, que era de 221 milhões de euros (221.212.822,89 euros)", acrescenta a Metro, citada pela Lusa.


Em segundo lugar ficou o grupo MEAS/Manvia/MEEE/ME SPSG/MGC, com uma proposta de 204,6 milhões de euros, seguindo-se a Corporacion Española de Transportes, propondo 206,3 milhões de euros.


O presidente da administração, Jorge Delgado, considera que "o concurso decorreu de uma forma absolutamente transparente e foi muito competitivo".


"O número de concorrentes envolvidos demonstra que o mercado estava muito motivado para vir apresentar propostas de qualidade, que a concorrência funcionou e que o interesse público sai objetivamente defendido. Por outro lado, com o caderno de encargos que preparámos, a elevada qualidade de serviço e o excelente desempenho do Metro do Porto saem reforçados".


A Barraqueiro já lidera o consórcio ViaPorto, que é responsável pela operação do metro desde 2010.


O anúncio do concurso, publicado no Diário da República no dia 23 de junho, previa para 25 de setembro o último dia para apresentação de propostas. Contudo, a Metro do Porto prorrogou esse prazo por 11 dias, "devido à necessidade de prestação de esclarecimentos aos potenciais concorrentes e de acordo com o previsto no programa do concurso".


A Barraqueiro vai garantir a operação e a manutenção do sistema de metro ligeiro da Área Metropolitana do Porto (AMP) por um período de sete anos, a partir de abril do próximo ano e até março 2025. O procedimento compreende, designadamente toda a operação regular do Metro, no que se inclui a segurança e o apoio aos clientes, bem como as grandes revisões da frota de material circulante, as grandes manutenções de sistemas técnicos e do sistema de bilhética.


A rede do Metro do Porto é composta por seis linhas e 82 estações, servindo sete concelhos da AMP. Movimenta perto de 60 milhões de clientes por ano.

Porto Ponto. Diário.
Juristas e clínicos debatem a responsabilidade médica
Médicos, professores universitários, juristas e responsáveis de várias organizações profissionais participam nas Jornadas de Responsabilidade Médica que se realizam nesta sexta-feira.
Juristas e clínicos debatem a responsabilidade médica
Médicos, professores universitários, juristas e responsáveis de várias organizações profissionais participam nas Jornadas de Responsabilidade Médica que se realizam nesta sexta-feira.
Médicos, professores universitários, juristas e responsáveis de várias organizações profissionais participam nas Jornadas de Responsabilidade Médica que se realizam nesta sexta-feira.

Promovidas pela AJP - Associação Jurídica do Porto, as jornadas decorrem na Aula Magna da Universidade Portucalense, entre as 9 e as 19 horas. O programa propõe-se escalpelizar três grande painéis temáticos: a  responsabilidade civil e disciplinar do médico; a responsabilidade penal; o regime da responsabilidade civil em hospitais públicos e em hospitais privados.

Entre os oradores, estão juízes, advogados, médicos e professores universitários dessas áreas, bem como a vice-reitora e a vice-presidente da Universidade Portucalense, respetivamente Paula Morais e Manuela Magalhães Silva, e ainda o presidente da AJP, Luís Cardoso Rocha, o professor catedrático Rui Nunes, em representação da Ordem dos Médicos, e o bastonário da Ordem dos Advogados, Guilherme Figueiredo.
Porto Ponto. Diário.
Renovação urbana torna o Porto um destino mais atrativo para viver e investir
O Porto é cada vez mais um "destino atrativo para investimentos", graças a uma proposta de valor "assente na oferta de recursos qualificados, infraestruturas excelentes, um ecossistema empreendedor, a interculturalidade e a reconhecida qualidade de vida". A referência a esta "dinâmica positiva" que transforma a cidade foi deixada por Ricardo Valente, vereador do Desenvolvimento Económico e Social da Câmara do Porto, aos participantes no seminário "Investir em Imobiliário em Po
Renovação urbana torna o Porto um destino mais atrativo para viver e investir
O Porto é cada vez mais um "destino atrativo para investimentos", graças a uma proposta de valor "assente na oferta de recursos qualificados, infraestruturas excelentes, um ecossistema empreendedor, a interculturalidade e a reconhecida qualidade de vida". A referência a esta "dinâmica positiva" que transforma a cidade foi deixada por Ricardo Valente, vereador do Desenvolvimento Económico e Social da Câmara do Porto, aos participantes no seminário "Investir em Imobiliário em Po

O Porto é cada vez mais um "destino atrativo para investimentos", graças a uma proposta de valor "assente na oferta de recursos qualificados, infraestruturas excelentes, um ecossistema empreendedor, a interculturalidade e a reconhecida qualidade de vida". A referência a esta "dinâmica positiva" que transforma a cidade foi deixada por Ricardo Valente, vereador do Desenvolvimento Económico e Social da Câmara do Porto, aos participantes no seminário "Investir em Imobiliário em Portugal".


Promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Francesa, o encontro destinou-se a caracterizar o mercado imobiliário em Portugal - "atualmente cheio de oportunidades" - junto dos cidadãos franceses, "os estrangeiros que mais investem no setor imobiliário em Portugal", segundo a entidade organizadora.


Os franceses Natixis ou Webhelp, mas também Euronext, Blip, Critical Software ou Vestas, foram exemplos de "grandes grupos internacionais" com operações no Porto referidos por Ricardo Valente, que frisou ser este "um período de expansão económica e rejuvenescimento empreendedor da cidade verdadeiramente sem precedentes".


Mencionou, a propósito, a importância dos investimentos previstos para Campanhã, que contribuirão para criar "um novo polo de desenvolvimento e uma nova centralidade", e a futura constituição de 11 Áreas de Reabilitação Urbana (ARU) na "concretização de um território qualificado e de excelência para viver, trabalhar e investir".


Com a renovação urbana em curso, o Porto foi já considerado pela "fdi Intelligence" uma das três melhores cidades da Europa do Sul para investir. E está, pelo que congrega, entre as cinco cidades candidatas mais bem colocadas para acolher a EMA - lembrou ainda o vereador, também elemento da comissão da candidatura nacional à relocalização da Agência Europeia do Medicamento.

Porto Ponto. Diário.
Partilhado com sucesso